Dia 1 – sábado (27/02/2016) 

Pegamos o vôo da Ryanair às 6h25 para o aeroporto de Beauvais (cidade que fica a uma hora de Paris) e chegamos às 9h05 (lá tem fuso de +1 hora em relação a Dublin). Fomos direto pegar o ônibus frescão que vai para a capital francesa, que é a opção mais confortável (dá para pegar ônibus + trem também). Nós compramos as passagens do bus com antecedência pelo site oficial e por isso ganhamos desconto, então recomendo que faça o mesmo se for voar para lá! O valor as passagens do ônibus ficou praticamente igual ao valor das passagens de avião (69.30 x 79.96), mas inda assim, saiu mais barato que voar para um aeroporto dentro de Paris.

Chegamos em Paris pouco depois das 10h e pegamos o metrô na estação Porte Maillot em direção à estação Odeón. Fomos no restaurante Les Editéurs comer o melhor croque monsieur (misto quente francês) da cidade, segundo um livro que ganhei da minha sogra. Que lugar agradável e que croque delicioso! Quase 13 euros, mas valeu a pena. 🙂

Andamos alguns minutinhos até o nosso hotel, o Hotel Design Sorbonneque na nossa opinião tem um ótimo custo-benefício. Nós pagamos 82 euros pela diária sem café da manhã em um hotel muito bem localizado, com elevador, com equipe simpática e quartos modernos sem cheiro de mofo. Esses pontos são bem importantes e costumam não coexistir em hotéis com diárias abaixo de 100 euros em Paris. Pode chegar no Booking.com

O dia estava ensolarado e frio, ou seja, perfeito para caminhar pela cidade. Começamos o passeio entrando no Jardim de Luxemburgo, que fica muito perto do hotel e é um lugar super agradável. Pessoas fazendo exercícios ou simplesmente tomando sol enquanto leem seus livros. Uma delícia de lugar!

Continuamos andando até a nossa desejada atração, a Chapelle Notre-Dame de la Médaille Miraculeusee no meio do caminho encontramos uma Pâtisserie com uma cara maravilhosa, a Le Petit Lux. Tivemos que parar e comprar os croissants de amêndoas que estavam com a cara maravilhosa (gosto também). Recomendo!

Alguns minutos depois, chegamos à Capela (Chapelle Notre-Dame de la Médaille Miraculeuse), que fica escondidinha dentro de um colégio. Esta capela é um importante lugar de oração e peregrinação e atrai inúmeros fiéis do mundo inteiro. Foi nela que, em 1830, Catarina Labouré teve a visão da Santíssima Virgem Maria  e recebeu da Santa o modelo da Medalha Milagrosa. Desde então, milhões de peregrinos do mundo inteiro vêm se recolher nesta Capela e costumam comprar a medalha na loja que fica ao seu lado. Nós encontramos uma freira que abençoou as nossas e o momento da reza foi bem especial.

Saímos de lá e entramos na loja La Grande Epicerie de Parisque é incrível em todos os sentidos. Eles têm um andar só para vinhos, outro para comidas variadas de excelente qualidade e outros para utensílios de cozinha e móveis. Nós ficamos encantados e queríamos levar várias coisas para casa, mas como as malas eram pequenas e não podíamos levar líquidos acima de 100 ml, nos contentamos com alguns temperos em pó e petiscos para comer na própria cidade no estilo picnic. Compramos queijos especiais, presuntos do tipo parma (amo!), azeitonas temperadas e biscoitos típicos franceses.

No caminho para a Torre Eiffel, paramos na Paris Cave, uma loja especializada em vinhos, e compramos um para o nosso picnic. A moça foi super atenciosa e deu dicas interessantes…no final até abriu a garrafa para a gente. Compramos os copos de plástico em um mercadinho perto dali e fomos direto para o parque da Torre fazer o nosso picnic. Tem coisa mais romântica? Achei tudo maravilhoso, até o ventinho frio de inverno. ❤

Quando terminamos o picnic, fomos para fila da torre para comprar os ingressos para subí-la. Como não fiz isso da primeira vez que visitei a cidade, nada mais justo do que fazer agora, né?  Podíamos ter comprado pela internet e evitado a fila, mas como eles exigem que você escolha o horário de subida e nós não queríamos fazer nada com pressa, achamos melhor comprar na hora. Ficamos quase 1 hora na fila por causa disso, ou seja, não sei se vale muito a pena deixar pra lá na hora não… Compramos os ingressos que dão direito a subir até o último andar (17 euros por pessoa) e fiquei maravilhada com a vista da cidade a noite. Que cidade linda, meu Deus! Como estava ventando bastante e ainda por cima estava bem frio, não ficamos muito tempo do lado de fora da torre. Ficamos boa parte do tempo na área fechada com vidro, mas deu pra apreciar a vista anyway. Recomendo muitíssimo a subida até o último andar! Aqui vão algumas fotos:

Andamos até a estação de metrô La Motte-Piquet-Grenelle e decidimos jantar ali perto, em uma crêperie com ótima avaliação no Trip Advisor, a Crêperie Suzette. Pedimos duas crepes gostosinhas e uma garrafa de vinho e depois fomos direto para o hotel de metrô.

Dia 2 – domingo (28/02/2016)

Saímos do hotel e passamos na Fromagerie Laurent Dubois para comprar uns queijos para mais tarde. Atendimento bom, muitas opções e o melhor, dá para experimentar alguns queijos antes de comprar (o que provamos era uma delícia, já o outro que não rolou degustação, prefiro nem comentar.) 😦

Seguimos em direção ao rio Sena e paramos em uma padaria fofa chamada  Richard Bertrand. Compramos várias coisinhas para o café da manhã (take away, porque era mais barato) e fomos à procura de um lugar para sentar. Paramos no parque René Viviani e comemos nossos quitutes com essa vista maravilhosa da Notre Dame, ó:

Cruzamos o rio e entramos na Notre Dame, porque ela simplesmente é maravilhosa e merece uma visita sempre, mesmo que já tenha entrado alguma vez (esta foi a minha segunda vez). Ouvimos a missa com canto gregoriano (emocionante!) e passeamos um pouco por ela antes de sairmos.

DSC00211

Caminhamos até a Sainte Chapelle, que é uma capela real gótica do século XIII que fica na mesma ilha da Notre Dame. O rei Luís IX (futuro São Luís) desejava conservar ali as relíquias da Paixão de Cristo, entre elas a Coroa de Espinhos, que é a mais célebre. O rei comprou as Santas Relíquias (usadas pelos imperadores de Constantinopla desde o século IV)  por um valor absurdo e com isso, aumentou o prestígio da França e de Paris, que passou a ser considerada uma “Nova Jerusalém” e a segunda capital da cristandade. A capela baixa é bem bonita, mas é a alta que merece toda a atenção. Ela é uma obra prima, com todas as esculturas e vidraças. São 1113 cenas desenhadas em 15 vidraças enormes! Nós demos a sorte de estar lá dentro com sol entrando pelas vidraças, então imagine como o lugar ficou lindo. Valeu cada centavo dos 10 euros por pessoa!

Atravessamos a ponte (adoro a vista!), passeamos pela margem e compramos um vinho no meio do caminho para completar o pacote do picnic do dia.

E onde fomos fazer o picnicJardin de Tuileries, claro. Era ali pertinho. Sentamos ao redor da fonte principal do jardim em duas das muitas cadeiras deitadas disponíveis, e apesar do ventinho frio, conseguimos relaxar e curtir o lugar. Cuidado com os pássaros que ficam de olho na sua comida, hein!

Depois do picnic, decidimos entrar na igreja Madeleine, que nos surpreendeu pelo seu tamanho. Descobrimos que haveria um concerto ali em poucos minutos e decidimos esperar para ouvir. Ficamos uma hora ouvindo música clássica com violino e órgão apenas. Lindo demais e o melhor, de graça!

Cruzamos o rio enquanto o sol se punha (vista linda!) e caminhamos sem pressa pelas ruas que cruzam a Blv Saint-Germain. Que cidade linda e que passeio delicioso!

Quando a fome apertou, escolhemos o  Les Antiquaires para jantarmos. Atendimento bom e comida boa também, mas nada espetacular que mereça destaque.

Na volta para o hotel, fizemos questão de ir caminhando pela margem do rio para apreciar a vista. Recomendo! Quando estávamos chegando perto do hotel, paramos em um mercadinho para comprar mais vinho e queijos. Nada como estar na França e pagar barato por esses dois itens! 🙂

Dia 3 – segunda-feira (29/02/2016)

Hoje é dia de Disneyland, bebê!!! 🙂

Saímos do hotel por volta de 9h, passamos no La Croissanterie para comprar o nosso café da manhã no estilo take away (mais barato!) e andamos até a estação Cluny La Sorbonne, de onde pegamos o RER B para a estação Chatêlet. De lá pegamos o RER A para a estação da Disney, que é a Marne-la-Vallée/ Chessy Station (é a última da linha e fica ao lado do parque).

Para saber mais sobre o nosso dia na Disney, veja este outro post bem completinho. Se eu fosse escrever sobre os parques aqui, este post ia ficar muito extenso, né? 🙂

Voltamos da Disney por volta de 23h e saímos em busca de restaurantes perto do hotel para irmos jantar. Infelizmente, a maioria dos restaurantes indicados por minha sogra já estavam fechados ou estavam no processo. Rodamos um pouco pela região e o único que encontramos aberto foi a crêperie Chez Suzette. Pedimos dois crepes e uma garrafa de vinho e fechamos o dia felizes!

Dia 4 – terça-feira (01/03/2016)

Acordamos às 5 da manhã para pegar o nosso vôo às 9h40. Yep, isso mesmo que você leu. Precisamos de muito tempo assim, pois o nosso vôo saía do aeroporto de Beauvais. Demoramos 1h para sair do hotel + 1 hora para pegar o metrô do hotel até a estação Porte Maillot (de onde sai o bus para Beauvais) + 1 hora dentro do ônibus até o aeroporto. Foi o tempo certinho para chegar no aeroporto, lanchar alguma coisa, passar pela segurança e embarcar. Se for viajar por Beauvais, fique bem atento ao horário do ônibus que sai de Paris: eles pedem para você pegar o ônibus com 3 horas de antecedência do seu vôo. Fica a dica!

 **********************************************************************

Quer ajudar o blog sem gastar nada por isso?:)

Nós ganhamos uma pequena comissão se você fizer reservas e compras pelos links abaixo:

Agradecemos de coração! ❤