Em 2011 decidi começar minha vida de mochileira viajando por perto e os destinos foram Argentina e Chile. Estava namorando e a ideia era irmos juntos, mas terminamos o namoro neste meio tempo e decidi ir sozinha mesmo assim. Foram 30 dias rodando com uma mochila nas costas sem me preocupar em agradar ninguém, apenas a mim mesma…que experiência incrível! Recomendo a todos. 🙂

Aqui vai um resumo dos passos…

  1. A primeira coisa que fiz foi marcar as minhas férias de 30 dias na empresa, de acordo com as datas dos meus outros colegas. Pesquisei as melhores épocas para viajar e achei que Maio seria interessante, porque é considerado baixa temporada e o clima é friozinho gostoso nesses dois países.
  2. Olhei quanto tinha guardado no meu fundo para decidir quanto poderia gastar na viagem e fiz o cálculo de quanto poderia gastar por dia. Esse foi o orçamento da viagem, ou seja, conta fácil mesmo: TOTAL/30 = X. Era só acompanhar no caderninho todo dia se eu estava dentro ou não do orçamento… (PS. No final da viagem, é claro que eu fiquei fora…rs).
  3. Pesquisei as cidades que queria visitar, principalmente no fórum de mochileiros, e fiz questão de comprar os guias da Argentina e Chile para mochileiros do Zizo Asnis – Guia o viajante Chile e Guia o viajante Argentina. Escolhi estes dois por terem o perfil mais de mochilão, sem tantos lugares chiques e caros e com dicas para obter descontos e fazer passeios baratos. São esses aqui, olha:
  4. Tracei o roteiro com a ajuda do Google Maps, escolhendo quantos dias queria ficar em cada lugar e otimizando os percursos a serem percorridos. Coloquei os detalhes do roteiro em uma planilha Google Docs para poder acessar de casa e do trabalho e depois compartilhar com família e amigos.
  5. Procurei por albergues nestes dois sitesHostels e HostelWorld. Acabei descobrindo a rede de albergues YHA neste site e fiz a carteirinha deles para obter desconto nos albergues da rede. O que achei mais legal deste site é que é perfeito para reservar vários albergues seguindo a cronologia. É perfeito para quem faz mochilão! Reservei os albergues de praticamente todas as cidades por onde iria passar e só precisei pagar 5% do valor para fazer as reservas. Escolhi praticamente todos os quartos compartilhados por serem mais baratos e não me arrependo.
  6. Pesquisei ônibus de uma cidade para outra, só para ter ideia de valores e duração. Decidi comprar algumas passagens de ônibus para o período da noite para economizar albergues e não perder os dias na estrada.
  7. Com o roteiro montado, pesquisei as passagens e acabei comprando com milhas pela TAM e GOL (total de 11.000 milhas para ir e voltar), mas eu já tinha uma ideia que iria pagar esses valores pois já estava acompanhando há um tempo. Desci em Buenos Aires e voltei de Santiago, ou seja, nem precisei repetir cidades por causa das passagens. Comprei também as passagens para apenas um trecho da viagem (Santiago – San Pedro do Atacama – Santiago).
  8. Fui em busca de uma mochila para mochileiros e achei uma desenhada especialmente para mulheres da Deuter. Foi carinha, mas vale cada centavo. Ela tem uma mochilinha acoplada e foi com ela que eu saía passeando pelas ruas enquanto a grandona estava no locker do albergue. Veja o modelo neste link.
  9. Providenciei o VTM (Visa Travel Money), cartão de débito com taxas internacionais melhores que as taxas do meu cartão Santander. Comprei o VTM do Banco Rendimento pelo site da empresa Cotação, coloquei o valor em reais que queria gastar e conforme ia gastando em pesos argentinos ou chilenos, eles convertiam e iam debitando do meu cartão do Santander. Achei ótimo pela praticidade e segurança! O bacana também é que se eu tivesse perdido o cartão, era só eu ligar para a central de atendimento e eles bloqueariam e mandariam outro em pouco tempo, ou seja, achei ideal para quem vai mochilar. Nunca se sabe o que pode acontecer, né?
  10. Comprei outro SD Card para a câmera e um pen drive bem potente para ir passando as fotos aos poucos para lá. (Update: hoje em dia o pessoal prefere usar o smartphone para tirar fotos, mas eu ainda ando com minhas câmeras compactas.)
  11. Arrumei minha mochilona com tudo o que queria levar e testei se conseguiria carregar numa boa. Até tirei algumas coisas e troquei outras para ter o maior conforto nos 30 dias. No final, acabei levando roupas para 15 idas e lavei lá…acho que poderia até ter levado roupa para 10 dias, não sei. Ninguém merece viajar com mochila entupida, né?

Listando assim parece fácil, né? E realmente é! As pessoas complicam, acredite… Esse foi o meu primeiro mochilão e te garanto que mudou muito a minha cabeça em vários aspectos. Passeia a achar a vida mais simples, a ter menos medos, a acreditar mais em mim, a  encarar desafios de outra forma, enfim…acho que foi uma terapia intensiva, sabe? E é por isso que acho que todo mundo deveria fazer uma viagem grande uma vez na vida sem ninguém ao lado…a gente se descobre! ❤

Mas chega de bla bla bla, né? Agora vamos ao principal – o roteiro!!!

Colocando os pontos acima no mapa:

Para saber sobre cada uma das paradas, é só clicar nos links de cada lugar. Have fun e qualquer dúvida, é só falar! 😉

**********************************************************************

Quer ajudar o blog sem gastar nada por isso?:)

Nós ganhamos uma pequena comissão se você fizer reservas e compras pelos links abaixo:

Agradecemos de coração! ❤