Ao terminar o meu mochilão do ano passado (2011) pela Argentina e Chile, comecei a pesquisar lugares para visitar no mochilão de 2012. Depois do primeiro mochilão, fiquei com vontade de fazer um por ano e botei isso na cabeça como meta!

Pensei em continuar a explorar a América do Sul ou em conhecer a América Central, mas foi graças aos meus acessos diários ao blog Melhores Destinosque encontrei uma promoção INCRÍVEL com passagens de ida e volta Rio – Sydney por R$2000!!! Normalmente custa R$3500, R$4000… 

Quase não acreditei quando vi… falei com meu namorado (hoje meu marido) e ele se animou na hora! Pedimos férias de 30 dias na empresa (trabalhamos no mesmo lugar) e com tudo confirmado, compramos as passagens. Aeeeeeeeeee!! Que animação.

Não tínhamos ideia do que iríamos fazer na Austrália, mas estávamos super empolgados com a criação do roteiro. Sabíamos da fama da Austrália de ser o Brasil que deu certo e da fama da Nova Zelândia de ser o país dos esportes radicais com paisagens incríveis, mas fora isso, nada mais. Cogitamos ir para Indonésia e Tailândia também, mas acabamos desistindo durante o planejamento, porque achamos que seria pouco tempo par ver tudo dos 4 países.

Conclusão: Austrália e Nova Zelândia, here we go!!!

Conversei com as poucas pessoas que conheço que já visitaram os dois países e procurei por programas de aventura na internet. Conversei também com pessoas que nunca visitaram os dois países e fui questionada sobre o motivo de eu querer conhecer a Oceania antes de conhecer a Europa, por exemplo. Não tenho uma resposta para isso…simplesmente não priorizo minhas viagens pelos lugares mais visitados pelos meus amigos…vou escolhendo os destinos conforme as belezas naturais vão em atraindo e as promoções de passagem vão aparecendo..rs.

ROTEIRO

Com a ajuda de um amigo que morou na Austrália por 2 anos, montamos o seguinte roteiro para 30 dias (acho que não mudaria nadinha…):

Dividimos a quantidade de dias para essas cidades de acordo com o que vimos de atrações e fomos em busca de albergues com quartos privativos. Caímos para trás com os preços…tudo extremamente caro! Os passeios então, nem se fala…só para vocês terem uma ideia: um copo de chopp em qualquer restaurante que visitamos chegava a custar R$20 quando convertíamos as moedas. Foi sofrido ver o dinheiro ir embora tão rápido, mas cada centavo valeu a pena. Os dois países são incríveis mesmo!

GUIAS DE VIAGEM

Ganhamos 2 guias da Publifolha da mãe dele: Austrália e Nova Zelândia. Eles são bem completos e foram extremamente úteis para decidirmos quais cidades íamos visitar. Ótimos presentes!

MOTORHOME – recomendamos muito!

Procuramos também carros e campervans para alugar. Lemos em vários blogs que para passear na Nova Zelândia o melhor meio de transporte é a motorhome e olha…é mesmo! A gente parou tantas vezes para apreciar a paisagem que se tivéssemos reservado albergue teríamos perdido a reserva ou teríamos que dirigir a noite para chegar a tempo e acabaríamos perdendo o visual da estrada. Alugar a campervan e dormir nos holiday parks (estacionamento para campervans) saiu a mesma coisa que alugar carro e dormir em albergues, mas ganhamos esta autonomia, sabe? Provavelmente foi até mais barato, porque fizemos muitas refeições dentro do carro (tá, se estivéssemos em albergue também cozinharíamos, mas não teríamos a privacidade que tivemos, entende?). Enfim…acho que valeu a pena pelo conforto, praticidade e autonomia.

Optamos por alugar a campervan da empresa Jucy, que nos encantou desde a primeira vez que acessamos o site deles. Eles têm preços bem competitivos, são super atenciosos e era possível alugar em uma cidade e devolver em outra, porque possuem muitos escritórios espalhados pelo país. Pesquisamos outras empresas que tinham “casas” maiores, com banheiro e tudo o mais, mas preferimos ficar com os modelos menores, sem banheiro, encontrados na Jucy. Adoramos nossa escolha e super recomendamos a empresa! O único detalhe é que se forem em época do ano com temperatura amena/fria (nós fomos em maio e estava bem friozinho à noite), escolham modelos que possuam aquecedor e portanto precisam ficar em vagas nos holiday parks do tipo powered (com energia). Daí é só ligar um cabo e você estará aquecido a noite toda! Fizemos isto tanto na Nova Zelândia como na Austrália.

HOSPEDAGEM

Outra coisa…Como eu já conhecia a rede de albergues YHA da minha viagem sozinha pra a Argentina e Chile, reservamos boa parte dos nossos albergues neste site quando não estávamos com a motorhome. Quando encontramos hoteis mais em conta, reservamos pelo site do Booking mesmo.

CÂMBIO

Pesquisamos casas de câmbio no Rio de Janeiro para trocar reais por dólares australianos e neo zelandeses, mas achamos as taxas de conversão não muito vantajosas. Acabamos levando dólares americanos e trocamos nos aeroportos de Sydney (AUS) e Auckland (NZ). Compramos as coisas mais caras com cartão de crédito, pagando 6,38% de taxa de IOF (fogooo), mas pelo menos ganhamos milhas. Até chegamos a olhar o VTM (Visa Travel Money) também, mas não pareceu muito vantajoso.

Nós indicamos a empresa Cotação para câmbio. Se você falar que é leitor do nosso blog, você vai ganhar desconto, então não esqueça da gente!! 😉

VISTO DE TURISMO OBRIGATÓRIO

Ah..o mais importante! Para ir para lá, tivemos que aplicar para o visto de turismo. Pagamos uma taxa de aproximadamente R$200, preenchemos um formulário pela internet (ler mais informações aqui) , juntamos documentação trabalhista e bancária e ficamos esperando a resposta. Em 3 dias, recebemos e-mail de aprovação do visto! Ufa…que alívio. Não sei como este processo está hoje em dia… lembre-se que fomos em 2012 para lá.

VACINA DE FEBRE AMARELA

Tomamos vacina de febre amarela no posto de saúde de Copacabana e fomos providenciar a Carteira Internacional de Vacinação no posto de saúde da Gávea. Foi muito rápido! Em menos de 1 hora saímos com a carteira na mão, já com o selo da vacina de febre amarela traduzido. Ah! Se você pensa que  é possível entrar no país sem isto, esqueça! Eles são bem rígidos na hora da fiscalização para entrar no país.

PID – PERMISSÃO INTERNACIONAL PARA DIRIGIR

Agendamos no Detran a carteira internacional de habilitação, a PID. Em pouco tempo ela ficou pronta e fomos lá buscar. Só precisamos apresentá-la nas empresas em que alugamos carro, já que não fomos parados por nenhum guarda, felizmente.

VÔO DE 21 HORAS EXCELENTE!!!

Com tudo pronto, foi moleza viajar… até o vôo da LAN, com escala em Santiago e duração total de 21h foi tranquilo! O vôo que pegamos de Santiago para Sydney foi da empresa Qantas e eu achei um luxo só. Comidas deliciosas, bebidas liberadas, filmes super atuais e poltronas confortáveis, apesar de termos ido de econômica.

Enfim, viagem perfeita com o já homem da minha vida! ❤

***********************************************************************

Para saber mais sobre a nossa viagem de 30 dias pela Austrália e Nova Zelândia, clique nos links abaixo:

***********************************************************************

Quer ajudar o blog sem gastar nada por isso?:)

Nós ganhamos uma pequena comissão se você fizer reservas e compras pelos links abaixo:

Agradecemos de coração! ❤